A Highschool Girl Giving a Total Stranger a Little Hand

I have no idea why mother did that. I think she was really measuring me by herself. I knew she was crazy for sex. At a very early age -- not that early so I wouldn't understand what was going on, but still -- I walked in on her and my dad doing it several times. To be completely honest, it happened so many times that at a certain point I would turn around and they would carry on, as if the phone had rung and it had been a wrong number.
"Who was it?"
"Wrong number."
"Brilliant. Come here and let's try that again."
Sometimes if I had been actually looking for them because I needed to ask something, they would stop it, half covering their bodies, answer my question and then resume what they were doing.
I remember very clearly the day they told me about the divorce. Dad got home and we had dinner in silence. After dinner, they went into the den with a bottle of wine. I couldn't hear a thing from the TV room, even though the door was open. So they couldn't be having sex. I was about to go upstairs to brush my teeth and head to bed -- being such a nice girl -- when they called me into the den. Mom did the talking. She told me that she and dad were getting a divorce not because their love was over, but because their love had changed and they figured they'd be able to make me happier if they moved on being just friends. Dad smiled and took me to bed. He tuck me in and kissed me goodnight. After a few minutes I could hear mom screaming like a whore. Some people say make-up sex is great -- and I'll vouch for that -- but from the noise those two made that night, nothing beats break-up sex. I was about 8.
When I found out what that was all about, I figured, "sex must be awesome!" And I started reading everything remotely related to sex I could get my hands on. One day I came back from school and put my backpack on a chair at the kitchen table. Mom was on the phone and I decided to have a shower before dinner.
When I came back downstairs she was sitting on the couch reading the book I had brought from the school library. That day was important for me for two different reasons. First, I learned my mom's view on sex when it came to her little daughter thinking about it, since when it came to her doing it... well, let's say I was very familiar with her views on that. Second, I learned my mom was in the habit of going through my stuff, probably to make sure I was not smoking pot. There had been this time when I decided to support marijuana discriminalization during our usual dinner talk. I was just trying to show how grown I was and defend my point of view. For her, I was trying to defend myself in anticipation in case one day I got caught. I was about 12 then.
The book I had brought was one of those cheap chick bestsellers. It was about this girl who's very honest and noble and meets a guy who has all those nice things a girl learns from her family she should look for in a guy -- namely, money, likes children, plays an instrument, loves his mother, and so on -- but, due to the fact that he's engaged -- the girl is never engaged and is usually a virgin -- they can't be together. So, they meet occasionally here and there, kiss once, being a little drunk, until the day the guy's fianceé passes away. The book ends with a beautiful sex scene described from the viewpoint of a virgin -- which means she uses words like 'male organ'.
Anyway, there she was holding my book. She started offering to answer my questions, should I have any, but we ended up having this huge fight during which I stated she was disrespecting my individuality, whereas she argued that children don't have rights until they own a home, and, according to her, even then there are limits to their level of freedom. It was a good fight.
On the following day, she didn't wait for me to come to her with questions. She prepared a very professional presentation on the subject of sex and STDs -- she actually made a PowerPoint presentation. If her idea was to scare me out of the idea of ever having sex, she succeeded. For a while.
The truth is, I kept reading more and more virgin-falls-in-love-and-has-sex books. Then I moved on to really erotic literature. When I was about 15 I was in the habit of reading erotic poetry.
That and masturbation.
I found out at that time that I would have a much more intense orgasm, and it would be much faster to have it, if I had been reading about sex before (or while) I did it. And at that time, boys had become so interesting for me.
The thing is, I was going to one of those Catholic schools for girls only. My consolation was my cousins, my neighbor's son and Hollywood. I would fantasize about Hollywood actors all the time.
There was this once when I ran into my neighbor's son coming back from the subway station. He was a couple of years younger than me, very shy and, probably because of that, very charming. I invited him to have dinner with me and my mom -- only she was away on business. I "accidentally" found a bottle of wine and made him drink so that he would have the guts to actually do something to me. It was a very wise decision of mine to choose another virgin, especially someone younger than me, to do that, because that put me in total control of the situation.
While we ate and drank he was pretty quiet. After we had finished the first glass, he was telling me everything about his life, school, family. I suddenly asked him if he masturbated. He blushed a little and said, "only all the time." I then asked him if he did it thinking of me. "Only all the time!" I blushed a bit, too, and changed the subject. We drank about one and a half bottles and we were suddenly making out on the couch. He was a really good kisser but also really slow -- which was nice at first but things got really hot really fast. I could feel his dick pressing against my body and I could tell it was fairly big. I told him to stop kissing me and told him to masturbate for me to watch. I had seen thousands of dicks in movies and magazines, but nothing compared to seeing one live. He started doing it very slowly, smiling at me. He didn't look like a boy anymore. He was man. And he was all mine. I took the liberty of continuing his job.
I had never felt so powerful! And to be perfectly honest, I still think there are very few things which make a woman feel more powerful than when she's holding a man's dick. They become little puppets in our hands.
We went steady for quite a while but I was too curious to get attached so soon. I wanted something different. He was really pissed at me when I broke up with him. We never had sex, technically speaking.
There was this guy who always rode the subway with me on Friday nights after practice. I was always wearing my volleyball outfit and I noticed him eyeballing my legs a couple of times. I felt really good about it. He was older than me, he had an incredibly sexy five o'clock shadow, and he noticed my legs.
One fine day, the car was pretty empty, and I spotted him glancing out the window absent-mindedly. I simply sat next to him and said, "let me give you a handjob."
I still find it hard to understand where I got the guts to do it like that. The guy could have been a pervert. Or worse, he could have been gay. Turns out he was none of that. And I felt I could do anything I wanted after giving him that handjob. And to think I was still a virgin.
I never saw him again. That day had been the last time I was ever going to ride that subway. Mom and I moved downtown that weekend. Sometimes I wonder what would have happened if I had given him my number, if we had met after that. But I think the fact that it happened like that and only once makes that day all the more special.
Maybe my mom was right after all to measure me by herself.


Dor ou Nada

Sempre pessoas, lugares novos
Entrando para alguém sair
E me pergunto:
Vale a pena?

Vale a pena conhecer gente boa
E ter que ir pra longe?
Vale a pena se apaixonar
Por um lugar,
Por uma idéia,
E ter que caminhar pra longe?

Melhor sentir dor do que não sentir nada.



Se Foi Minha Tão Querida

Ai, que saudade da minha tesourinha!
Cabinho preto de marca Tramontina
Me acompanhava havia tanto tempo
Ainda tão nova que me sentia bento!

Cortava tudo com suas lâminas
Papel, tecido, até meu bigode
Ficava perto da minha câmera
Sumir assim: como é que pode?

Não sei se devo comprar outra...
Será que não seria traição?
Datas passadas tão poucas
Me resignar é a solução

Não corto mais papel
Nem corto mais tecido
Dedão ficou sem anel
Meu bigode tá crescido

p.s.: depois que eu escrevi esse poeminha, ela apareceu... o poder das palavras...


What If

What If...?

What if I'm wrong?
I'm not sure.
I don't know for certain.
What if it doesn't go the way I planned?

I can't be certain.
I fall sometimes.
Everybody does.
Some people go on.
Some people quit trying.
But what if I'm wrong?

I can't predict what's going to happen.
I can't tell you for sure that...
... everything is gonna be alright.


What if you try?
And what if you succeed?
What if ...
... everything you've always wanted...
... everything you've always dreamed of...
... is right there,
... just waiting for you to make a move?

What would YOU do?


Coisas de Dois

"Então me diz."
Coçou a barba com a mão direita enquanto a esquerda se sustentava na altura da cintura. Seu olhar corria os cantos da sala.
"Digo. Com uma condição."
"Você vai tentar apreciar o que eu falar, mesmo que a princípio soe estranho." Foi até a janela e acendeu um cigarro, ensimesmado. Soltou a primeira nuvem de fumaça. Ela aguardava, sentada sapeca no pufe. Ele completou:
"E vai dormir aqui hoje."
"Mas aí são duas condições!" Ela disse sorrindo com as mãos nas cadeiras.
"É pegar ou largar."
"Ok. Vou apreciar o que você disser. E só vou topar a segunda condição por que já era parte do plano mesmo. Agora, desembucha."
Ele voltou-se de novo para a janela. Soltou outra baforada de fumaça e disse sem olhar pra ela:
"Você pra mim é perfeita mesmo com tantas imperfeições."
Ela pensou um pouco e depois sorriu. Se levantou e o abraçou por trás, já que ele ainda fumava com o rosto voltado para o lado de fora da casa. Terminado o cigarro, apagaram a luz e subiram as escadas para o segundo andar. Já estava ficando tarde e amanhã começaria tudo de novo.


Tomada Banana

Tó, Madá, banana.
Tô má. Dá banana?
Tomada, banana!
Tô, ma dá banana?


Sábado À Tarde, Centro

Ele ia descendo a ladeira
Salpicada de gente
Os tornozelos dizendo pra ir devagar
A barriga quentinha, digerindo

Viu uma moça de vestido
Sem razão aparente
Ela atraíra seu olhar
O vestido moldando seu corpo
Seus cabelos ao meio dia ainda bem desembaraçados
Panturrilhas amostra e os pés na sandália
Ressecados: era como ele mesmo
Operário e operária descendo a ladeira

Olhando em volta, o ponto de ônibus
Parou um, depois outro logo atrás
Dois vagões do mesmo trem
As portas se abriram
Inundando a calçada de gente
Mais gente como ele
Rostos cansados
Belos como todo o resto


Do Trabalho Pra Casa

Catarina desce do palco
Sua voz pouca e rouca
A alma lavada
O corpo cansado

No camarim, Leonardo aguarda
Ele tem dessas coisas
E a recebe com uma palavra:
-- Surpresa!


Domingo no Teatro

A mão entrava dentro da bolsa
Sem pudor, sem vergonha, nem embaraço
E resgatava lá de dentro a salvadora bombinha

Seus olhos no palco brilhavam ao som dos holofotes
O ar lhe faltava, mas ela não se movia
O sorriso no seu rosto era de entendimento
Além do que assistia, de si mesma
Sorriso de quem se enxerga no outro
De quem se vê do lado de fora de si
E talvez sem que ela percebesse
Não era só no palco que ela estava
Também estava em toda a platéia
No rosto e na alma de todos aqueles
Que com ela agora sorriam

No palco, um gracejo
O sorriso, agora, fazia barulho
Seu corpo balançou, crise de tosse
Salvadora bombinha!
Ela chacoalhou-a e deu duas aspiradas
Não tinha vergonha, pudor ou embaraço
E já com o ar de volta aos pulmões
Continuou a sorrir, a se assistir


Cigarette Break

They'd seen each other before
A couple of times, maybe more
Exchanging shy glances and smiles
Walking around was worthwhile

She used to work in the storeroom
He learned that tripping on a broom
He used to be a simple errand boy
Doing things which most people annoy

There was this one plain particular day
In windy September, perhaps in May
Taking the lift for a cigarette break
When the doors were open, he was awake

She was there then just staring at him
None of them knew what was to begin
They said hello and together rode down
A lift ride like a nice trip out of town

Her hair so scented, her skin so white
Her eyes sparkled, a star isn't that bright
They talked about nothing, sharing everything
Never done that before, yet one could so think

Outside the building, the sky was blue
A stroll around was certainly due
He then realized he'd left his pack
Up in the office, in his backpack

Her own was enough
She was glad to share
Love was given birth
Just out of thin air


Gato no Telhado

O gato subiu no telhado
Mas não caiu
Nem quis se jogar

Primeiro sentou-se confortavelmente
Beeeeeem na beiradinha
Lambeu a primeira patinha
Depois a segundinha

Observou um casal de pombos
Passavam voando e pousaram
Lááááááááááááááááááááá longe

Nas ruas, lá embaixo
Movimento de gente
Uns que chegam, uns que saem
Outros chegam, outros saem

A orelha coçoooooooooou
E ele obedeceu
Depois se espreguiçou
E se deitou
E ficou por ali
Assistindo o pôr-do-sol


from Alessa Menezes
to Bruno Guima
date Thu, Aug 13, 2009 at 9:05 PM
subject RE: para Francisco,

Nao apenas me fez sorrir num dia cinzento e abafado em SP como me fez lembrar que indo contra tudo que digo que 'nao se faz amigos depois dos 30' me mostrou que fazemos até irmão.
Aqueceu meu coraçao apenas por ter lembrado de me dizer tudo isso.
amo vc, sim. esteja onde estiver.

Bruno wrote: -----------------------------------------

Então, quase 8 meses depois de você ter me dado o livrinho, minha irmã me diz sobre um blog de uma moça que fotografa seu outfit diariamente. Diz que tem a ver com um projeto para amenizar a dor de ter perdido o marido grávida. E eu penso: "Já ouvi essa história".
Vou na minha prateleira e encontro o livrinho que você me deu de aniversário. E o leio em duas tardes. E me lembro por que somos um do outro sem importar onde estamos.


A Cerveja

Entrou no banheiro. Precisava dar uma mijada. O banheiro era estreito e comprido. Felizmente estava vazio. Havia um mictório comprido que ia da porta até o final do banheiro, onde uma privada aguardava. Para chegar à privada, se houvesse mais alguém mijando, certamente teria que pedir licença. Mas não havia ninguém, então ele caminhou calmamente e entrou na estreita cabine. Desabotoou a calça, desceu o zíper e tudo mais e, enquanto o líquido amarelo ia sonoramente colorindo a água dentro do vaso, ele olhava em volta. Uma garrafa de cerveja?!
Na cabine havia um desses compartimentos onde se coloca o papel higiênico em banheiros públicos, para evitar que espíritos de porco roubem o rolo. E sobre ele, uma garrafa longneck de cerveja. Heineken! Cheia! E ainda suadinha. Deveria estar geladíssima.
Ele começou a pensar em todas as possibilidades.
Alguém muito bêbado deveria ter entrado ali antes dele. O cara provavelmente já teria tomado várias. Aquela deveria ser sua oitava ou nona longneck. Isso se não tivesse tomado mais alguma coisa -- talvez uísque, talvez vodka, uma caipira. O cara deve ter entrado cambaleando. Acabara de pegar aquela Heineken. Veio se escorando na parede e, por perceber que seu centro de equilíbrio havia desaparecido, decidiu mijar na cabine. Ao entrar na cabine, deu graças a Deus por haver aquela mesinha improvisada, colocou a cerveja sobre ela, apoiou as costas contra a parede, abriu a braguilha e deixou a água escorrer do joelho. Quando se sentiu aliviado, subiu o zíper novamente e saiu cambaleando. Deixou a garrafinha pra trás, sem nem se dar conta.
Teoria plausível. Porém, era muito cedo. O pubzinho acabara de abrir. Ele já dera uma volta lá dentro e vira: deveriam haver no máximo uns oito caras lá dentro e umas três meninas. E ninguém ali parecia bêbado o suficiente para protagonizar a cena que passara por sua cabeça. Além disso, o banheiro estava limpíssimo, até cheirava bem. A história teria sido outra.
Alguém entrara ali para dar uma mijada e, como ele, aproveitara o conforto da cabine da privada. Fora até lá. Para maior conforto ainda, decidira colocar a garrafa que acabara de pegar no bar sobre o compartimento de papel higiênico. Durante a mijadinha lembrara-se de que não havia ligado o alarme do carro. Saiu correndo, a cueca até recebeu alguns pingos indesejados no processo, e a cerveja ficara esquecida lá, intacta.
Gostou dessa versão para a história. Mas ainda achou que a chance de algo assim ter acontecido era muito pequena.
-- Foda-se! -- resmungou.
A chance de uma garrafa de Heineken ter sido largada no banheiro era menor ainda, e, no entanto, lá estava ela, suadinha, tão gelada que o suor ainda nem começara a escorrer. Fechou o zíper, pegou a garrafa, deu uma cheiradinha só por desencargo de consciência e mandou o primeiro gole para dentro. Perfeita! Saiu do banheiro sorrindo. Sua sorte começava a mudar.


Manhã de Devoção


A arte de falar sem ser ouvida. Talvez por isso eu tenha me tornado professora. Chorara durante o banho. Entrei na cozinha e ele me olhava impassível, com um quase sorriso no rosto. Seus olhos definitiva e deliciosamente em mim. Mas o rádio ligado me deixava ainda mais irritada. Sustentando o olhar com o qual eu o fusilava, desliguei o chiado enlouquecedor. Gesticulava muito, andava de um lado a outro da cozinha enquanto jogava tudo que estava carregando sozinha em cima dele. Era quase insuportavelmente difícil continuar olhando para aqueles olhos pertubadores e tranquilos. Ele acabara de se levantar, a barba que começava a acinzentar o rosto esculpido a cinzel, a camiseta colada ao tronco, os shorts, os chinelos de dedo... O antebraço empunhando a xícara de café... um arrepio nascia no meu cóccix e morria em minha nuca, todos os pêlos do meu corpo se levantaram, mas eu mantinha a pose firme. E falava, falava, falava. Finalmente estaquei. O diálogo que eu esperava havia nascido e morrido monólogo. Meus olhos o inquiriam, exigiam dele uma reação.
- Deus te abençoe. - ele disse.
Como se não houvesse outro lugar no mundo para o meu corpo, me achei em seus braços sendo carregada para o quarto. Pela primeira vez na minha vida não achei ruim ter um sermão meu ignorado.


Ela entrou com aquele vestido roxo de amarrar na cintura. Eu adorava a maneira com que ele envelopava seu corpo, a maneira como o decote descia seu colo: ousado e sóbrio. Eu ainda tomava meu café e ouvia as primeiras notícias da manhã pelo rádio. Ela desligou a maquininha de fazer barulho: queria minha atenção exclusivamente para si. Meus olhos pelo menos já pertenciam a ela desde o momento em que pusera os pés na cozinha. Estava frio e, além do vestido, usava aquele sobretudo de malha preta e meias calças da mesma cor. Nos pés, aquele sapatinho fechado, de tecido, baixinho. Ela sempre o calçava quando queria parecer séria. Falava, falava, falava e eu ia saboreando meu café amargo, imaginando a que altura de sua coxa a meia terminaria, o contraste de sua pele alva com o negro da meia. Seus olhos vermelhos me fulminavam através das lentes dos óculos de armação grossa e escura que amadureciam um pouco seu rosto de menina e contrastavam belissimamente com o louro dos seus cabelos, ainda molhados. Seu corpo exalava cheiro de banho. Ela finalmente parou de falar. Seu olhar exigia de mim algum tipo de reação.
- Deus te abençoe. - eu disse.
Com todo o carinho e reverência que merece uma santa em procissão, levei-a em meus braços para o quarto e fizemos amor a manhã inteira.


Perdendo Dentes

Entrei no banheiro e me coloquei em frente ao espelho do armarinho. Era definitivamente eu. Fui abrindo a boca devagar, passando a língua pelos dentes de cima, da parte da frente. De repente, percebi que um deles estava meio mole. Era quase imperceptível, mas estava mesmo meio solto. Eu comecei a empurrá-lo, pra frente e pra trás, com a língua. E sentia que ele se movia, bem pouquinho, mas se movia, em relação aos outros dentes. Decidi continuar aquele procedimento, agora usando os dedos. O dente pareceu ceder mais um pouco.
Comecei a pensar no tempo transcorrido desde minha última visita ao dentista. Fazia mais de 10 anos. Eu cuidava relativamente bem dos meus dentes: escovava-os duas ou três vezes por dia, passava o fio dental uma ou duas vezes por semana, raramente comia doces... Nunca sentia dor em nenhum deles. Vez ou outra inspecionava-os. Nunca encontrei nada, exceto por algum tártaro, bem de leve, devido ao fato de eles serem muito tortos. E por isso acreditava que estava tudo bem.
O presente me mostrava que eu estava enganado. Dentes saudáveis não se movem.
Tentei me lembrar se eu havia batido a boca em algum lugar, ou se alguma coisa havia me acertado, mas nada me ocorria. E enquanto eu pensava, continuava empurrando o dente para frente e para trás. Percebi que os dois outros dentes que cercavam aquele com o qual eu já brincava também pareciam estar moles. Sim. Estavam os três meio soltos. Não eram só eles! Os quatro dentes da frente da parte de baixo também estavam moles. Comecei a me desesperar. Mas ao mesmo tempo não conseguia parar de mexer com eles. De repente, o de cima, o primeiro a se mover, se soltou em minha mão!
Eu me via no espelho, com um grande espaço vazio na arcada superior. Olhei para a pia e soltei o dente. Assisti o bloquinho branco acertar a louça da pia, ecoando alto dentro do banheiro, e depois escorregar para dentro do ralo.
Eu ainda estava de boca aberta, literalmente, com o que acontecia, e senti que mais alguma coisa estava solta na minha boca. Agora era um dente de baixo. De repente, outro e mais outro. E eu os cuspia na pia, estupefato. Sentia minhas têmporas latejarem mais forte, mais rápido. Como poderia sair para trabalhar com aquela boca banguela? E os dentes continuavam se soltando. E eu os cuspia no pia, aos montes, o barulho dentro do banheiro apertado era ensurdecedor.

Ontem sonhei que estava perdendo dentes. Levantei esbaforido e corri para o banheiro. No espelho do armarinho aquele rosto era definitivamente eu, e eu estava acordado. Joguei um pouco de água no rosto para terminar de acordar e me encarei novamente. Alisava a barba que começava a querer apontar de novo, até que minhas mãos chegaram à minha boca. Toquei de leve os meus dentes com as pontas dos dedos.
Seria impressão minha ou eles estavam meio moles?

Pra Onde?

Onde cê vai?
Sei lá
Tô indo

Vou pra casa de um amigo
Vamo tomá uma
Trocar uma idéia
Ver um filme

Vai pra onde?
Sei lá
Vô indo

Vou pra casa de uma amiga
Escutar ela falar
Fazer um sarau
Tomar um argentino

Tá indo pra onde?
Sei lá
Tô saindo

Vou dar uma volta na lagoa
Correr um pouco
Caminhar pra pensar
Tomar água de côco

Mas onde?
Sei lá
Por aí

Talvez eu leve o violão

Dentro do Mar

...que o mar me atrai
...que o mar me chama

E eu tenho medo, tanto medo

Dentro do mar eu me perco
E eu não me desespero
É tão gostoso

E eu tenho medo, tanto medo

Mas nem sempre tem alguém por perto pra me resgatar
Nem sempre tem quem me tire lá de dentro

E eu fico por horas lá

E bebo aquela água salgada

E deixo de respirar

E me perco

Não me desespero

E muitas vezes...
Eu morro.
Eu morro.
Muitas e muitas vezes eu morro dentro desse mar.

É confortável, reconfortante
Cômodo é morrer dentro do mar

E eu tenho medo, tanto medo


Sexta à Noite

O Accord prata vinha encostando junto ao meio-fio devagarinho, de faróis baixos. As duas morenas de salto alto, a primeira usando uma mini-blusa branca muito decotada, que revelava o sutiã vinho, e um micro-short amarelo ovo que garroteava suas grossas coxas cor-de-feijão, a segunda vestia um mini-tubinho preto, uma tarja preta que tapava apenas seus seios e sexo, desfilaram juntas em direção à beirada da calçada.
Dentro do carro, dois homens. Um mais jovem, cerca de 35 anos, usava uma camisa preta, jeans e sapatos de couro, de grife certamente, tinha os cabelos muito pretos e a pele branca, esverdeada na região da barba, e sorriso odontologicamente perfeito. Outro mais velho, usava uma camisa azul folgada, calça de brim e sapatos de couro marrom, tinha cabelos grisalhos, escassos no alto da cabeça e mais densos e compridos próximo à nuca, usava óculos de armação marrom avermelhada.
O primeiro homem, o mais jovem, se debruçava pela janela do banco do passageiro, exibindo os dentes perfeitos enquanto cumprimentava as duas morenas.
O segundo homem, apertava firme o volante do carro com as duas mãos, a coluna encurvada para frente, seu tronco esticando o cinto de segurança, o rosto muito próximo ao pára-brisa, os olhos arregalados, a boca fechada, o maxilar latejava nas laterais do seu rosto.
O carro finalmente estacou. A morena de tubinho se inclinou apoiando o antebraço direito no teto do carro enquanto ouvia os galanteios do homem mais jovem. A outra, de shortinho amarelo, continuava o desfile na calçada para o rabo de olho do homem mais velho.
- A gente vai dar a volta no quarteirão. - disse o moço dos dentes perfeitos.
O carro voltou a se movimentar.
- Cê tem certeza que isso é uma boa idéia? - o homem de óculos perguntava, enquanto seus olhos ainda captavam o andar gingado das moças que iam ficando para trás pelo retrovisor.
- Relaxa, Ferreira! Relaxa! Vamo curti, cara! Hoje é sexta, pô! Até quando cê vai ficar nessa?
O moço então dizia para o homem de óculos continuar a volta no quarteirão. Relembrava-o que ali era a Zona Norte, onde ninguém os conhecia. Além disso, a menos de 100 metros de onde estavam havia um drive-in. Ele continuava encorajando o amigo dizendo que pegariam duas cabines para terem alguma privacidade.
- Mas, não esquece, quando cê terminar, a gente troca. Quero comer as duas, hein, Ferreira! Manda a sua pra mim também. Tem certeza que não quer um azulzinho, véio? Né vergonha pra ninguém não, viu?
- Tenho.
Terminaram a volta no quarteirão e reencontraram as moças. O moço desceu do carro, segurando a porta aberta para a morena do shortinho amarelo entrar em seu lugar. Depois abriu a porta de atrás e gesticulou com um sorriso para a de tubinho preto se acomodar no banco traseiro, onde ele a acompanharia.
Com todos devidamente acomodados, o carro partiu mais uma vez. Chegaram ao tal drive-in, onde o senhor de óculos pediu duas cabines. Entraram e estacionaram o carro na cabine 7. O moço saiu do carro, e caminhou até a cabine 8 de mãos dadas com a morena de tubinho preto.
Agora, estavam a sós. A mulher se colocou de lado em seu assento para olhar para aquele homem maduro ao seu lado, ia começar a falar quando ele perguntou, sem olhar para ela:
- Como devo te chamar?
- Rose.
- Rose, pode me fazer um favor? Desce do carro e vai ali pra frente, junto a parede, onde eu posso te ver.
A mulher sorriu, mascando o chiclete. E olhando para ele, desceu lentamente do carro, ao colocar os dois pés para fora, levantou-se exibindo o volume das nádegas apertadas dentro do shortinho, como penas de pavão. Caminhou lentamente para a frente do carro. Os fárois, holofotes em um palco, a iluminavam.
- Quer que eu tire a roupa? - ela perguntava sorrindo com as mãos na cintura.
- Não, caminha de um lado pro outro, como cê tava fazendo na rua.
Ela sorria e agora desfilava sem olhar para ele, como se o ignorasse propositalmente. Ele tirou o cinto de segurança, e esfregou o rosto. Seus olhos eram dela. Dentro do bolso da camisa pegou o maço de Benson & Hedges e acendou um. Sua mão tremia um pouco. Os cabelos negros compridos da mulher balançavam suavemente, ele percebia as curvas das nádegas e dos seios se salientarem quando ela ficava de perfil para fazer um giro naquela passarela improvisada, observava cada detalhe do corpo daquela linda mulher.
Finalmente, ele desceu do carro, apagou o cigarro no chão com a sola do sapato e foi até ela. Ela, agora parada, as mãos na cintura, olhava para ele, sempre sorrindo.
- E agora?
Ele a agarrou e a jogou sobre o capô do carro, ainda quente, e atacou-a como um esfomeado a um prato de comida. Suas mãos percorriam e apertavam com força a carne tenra daquele corpo. Sua boca arfava, beijava, mordia. O cheiro vulgar do perfume da moça o embriagava ainda mais. Devorou a morena ali mesmo, sem nem tirar a roupa.
Fechou o zíper e se arrastou para dentro do carro novamente. Enquanto a moça se recompunha, ele ofegava dentro do carro e acendia outro cigarro. A moça o deixou seguindo para a cabine 8.
Dentro do carro, ele finalmente conseguia não pensar. Apenas saboreava aquele cigarro. O melhor dos últimos 3 anos.
Não muito tempo depois seu amigo ressurgia no retrovisor, escoltado pelas duas morenas. Os três sorriam muito e entraram juntos no banco de trás.
- Ferreira, me deixa em casa com elas.
O senhor de óculos, calmamente obedeceu. Alguns minutos depois, os três ocupantes do banco traseiro desciam. Ele, enfim sozinho, ligou o rádio e foi embora, acompanhando a bossa que tocava com um assovio baixinho, pensando no mar.


Olhar de Mulher

Seus olhos falam
Contam essa história que eu não canso de ouvir
Essa história que eu nem entendo
(Não foi feita pra entender)

O olhar me fala muito mais
Mais que essa boca rosa, linda
Me fala que você é uma mulher


Mulher que sente
Que ri, que chora
Que sofre, que goza
Que tem certeza
Mas nunca consegue se decidir

Seus olhos me dizem muito
Talvez mais do que eu possa absorver
E eu os ouço
Por que me falam tudo aquilo de que não me canso de ouvir


Madalena Não Se Arrependeu

Com seus 12 anos de experiência na corporação, Ronaldo não podia antecipar o que veria ao atender aquela chamada. A princípio, parecia algo corriqueiro para aquela região. Vizinhos disseram ter ouvido um estouro seco. Eram pouco mais de 5 da tarde de uma quarta-feira.
– Será que foi tiro mesmo? – perguntava Leonardo, seu parceiro.
– Deve ser. – respondeu Ronaldo, quase em tédio. – E pelo horário... um tiro só... deve ser mulher matando marido que pulava a cerca.
Ligaram a sirene e em menos de 10 minutos chegavam à rua indicada pelo rádio da viatura. Ronaldo conhecia a região muito bem. Além de fazer ronda por ali há mais de dois anos, morara naquele bairro por mais de cinco. Depois de ter se tornado sargento, decidira se mudar.
Ao entrarem na rua, desligaram a sirene. A viatura ia deslizando silenciosa e vagarosamente rua abaixo. Ninguém por ali: era tiro mesmo. Alguns moradores mais curiosos, esticavam olhos interessados de dentro de suas janelas em direção ao carro. Ronaldo, com o braço direito para fora do veículo, segurava sua pistola negra.
Enfim, Leonardo estacionou junto ao meio-fio. Desceram do carro e olharam em volta. Uma velha subia a rua lentamente.
– Boa tarde, minha senhora. – Ronaldo a abordou.
Explicou que averiguavam uma denúncia anônima e perguntou se a velha não teria percebido alguma coisa fora do normal naquela tarde, um barulho, um estouro talvez.
A velha disse ter ouvido um tiro. O som teria vindo da casa 32. Ela usou a palavra tiro, com a autoridade de quem já ouvira vários. Ronaldo então pediu que ela permanecesse próxima à viatura e instruiu Leonardo a ficar de olho.
Novamente, o experiente policial sacou a arma e caminhou em direção à casa de número 32, a uns 50 metros de onde a viatura estava estacionada. A casa tinha muros de tijolos, mas não havia um portão que a encerrasse. Ronaldo se encostou ao muro e deu uma olhadela rápida para dentro do lote.
Leonardo o acompanhava de longe, vez ou outra voltando o olhar à velha, à viatura e varrendo os arrededores. Se espantou com a cara de Ronaldo. Seu parceiro agora arregalava os olhos e guardava a arma no coldre. Olhava para Leonardo e dava de ombros como se não entendesse o que acontecia. Ronaldo sinalizou para que o colega permanecesse onde estava e entrou no lote.
Ele encarava uma menininha. Uma criança com rosto de anjo, sentada no degrau de cimento que dava para dentro da casa, cabelos negros amarrados num rabo-de-cavalo, olhos grandes, o rosto um pouco preocupado. Vestia o uniforme da escola pública e tinha um 38 nas mãos.
– Coloca a arma no chão e levanta devagarinho. – Ronaldo ordenou.
A menina obedeceu calmamente. Usando as duas mãos, colocou o revólver ao seu lado, sobre o degrau de cimento, com muito cuidado, como se fosse uma boneca de porcelana. Depois levantou-se e perguntou:
– Cê vai me prender?
– Uma coisa de cada vez.
Ronaldo, segurou-a pelo braço delicadamente e a conduziu até a rua. Leonardo já estava à entrada do lote.
– Fica de olho nela e não deixa ninguém entrar.
Voltou para dentro da casa e tirou novamente seu revólver do coldre. Caminhou em direção à porta de entrada. A arma à frente do corpo, sustentada pela mão direita inabalável. A porta estava aberta, mas bateu antes de entrar. Como ninguém respondeu, escancarou-a com um pontapé dando chance para seus olhos e sua arma vasculharem o que parecia ser a sala daquela casinha. Não havia nada de estranho ali. Um sofá velho, uma estante com uma televisão e alguns porta-retratos, um aparelho de som e uma máquina de costura.
Havia um corredor que saía da sala. Caminhou em direção a ele, sempre com a arma em riste. Três portas à direita e uma cozinha apertadinha ao fundo.
A primeira porta, entreaberta, revelava um banheiro. Azulejos e louças brancas, uma cortina de plástico e um armário com espelho na porta pregado à parede sobre a pia.
A segunda porta estava fechada. Bateu e perguntou se havia alguém. Sem resposta, entrou. Dessa vez, com mais calma, empurrando a porta devagar com a mão esquerda, enquanto o cano do revólver ia penetrando o quarto seguido de seu olhar atento. Um guarda-roupa sem porta, roupas de meninas, duas camas de solteiro, uma penteadeira e... dois pés que saíam de entre as camas. Um deles calçado com uma havaiana azul.
Guardou o revólver no coldre e deu a volta na primeira cama se colocando entre as duas. Um homem estirado de bruços no chão com um rombo no meio das ventas que atravessava a cabeça e saía do outro lado. Havia sangue respingado na parede e nas cobertas das duas camas e uma poça vermelha no chão: tiro à queima-roupa. O homem usava shorts e camiseta. E as havaianas.
Ronaldo voltou à viatura. Quanta papelada dava assassinato!
O nome da menina era Madalena. Era a filha mais nova de Vanderléia, que tivera outros dois filhos, Maria e Jesus, com Carlos, morto a tiros em uma briga de bar. Vanderléia era casada pela segunda vez com o agora também defunto Sebastião. Jesus, aparentemente trabalhara como aviãozinho dos traficantes da região. Fora preso havia pouco tempo. A irmã mais velha de Madalena era constantemente violentada pelo padrasto. Naquele dia, Madalena completava 15 anos. E para seu padrasto, a idade de poder “brincar” havia chegado. Madalena assistira calada Sebastião estuprar Maria. Muitas vezes. Ela sabia onde seu irmão havia escondido o revólver. Planejara tudo sozinha. Ao chegar da escola naquela tarde, subiu no telhado e tirou o embrulho de saco plástico preto de dentro da caixa d’água. Lá dentro estava o 38. Desceu com a arma e foi para a cozinha. Sentou-se à mesa, com a arma em seu colo e tomou um copo de leite com Nescau, enquanto esperava Sebastião. Sua mãe demoraria a chegar e Maria tinha aula à noite. Seu padrasto certamente seria o primeiro a aparecer. Terminou o copo de leite e foi se deitar em sua cama. Colocou o revólver sob o travesseiro. Cochilava quando foi despertada pelas mãos de Sebastião tocando seus pés.
– Chegou a sua vez, Madá. – ele olhava para ela como um bicho que olha sua presa, sua caça, sua comida.
– Não, seu puto. Chegou a sua vez! – foi a resposta da menina. E sem a menor hesitação, Madalena puxou o 38 de debaixo do travesseiro e deu um tiro certeiro no meio da cara do padrasto.


Quero seu amor
Esse amor safado
Esse amor risonho
Esse amor tarado

Quero seu amor
Seu amor chorado
Seu amor sofrido
Seu amor lavado

Quero seu amor
Não quero pedaços


De vocês
Desses lugares
Até logo?
Não digo
Digo Adeus
A Deus
Antes a Ele
(Se é que Ele existe)

Ponto final
Ou exclamação?
Certamente não são reticências
Sei que é o fim

Tudo que acumulei
Tudo que aprendi
Tudo que amei

Alcançarei a paz?
Com Ele?
Com o universo?
Com a minha eterna não-existência?
Não sei
Só sei que...


Não por falta de condição
Nem por falta de estudo
Falta de orientação?
Também não.

Mas não vivo
Nem sobrevivo
Vivo abaixo da linha
Da linha da pobreza?
Não! Blasfêmia!
Abaixo da linha do que eu sou
Abaixo da linha do que posso
Abaixo da linha 

Por quê?
Sem força
Sem vontade



Não troco nem pela lasanha

Italiana ou brasileira?


Tarde de Domingo

Deitados depois do almoço
A brisa que dança com o sol
Seus cabelos onde se perde meu rosto
Sua pele que envolve meu corpo

Esse dengo de deitar
Me dá e me tira o ar
Primeiro sonhamos
Nos embalamos

A segunda preguiça
Já no fim do dia
Me desperta o bacuri

Seu único ofício é brincar
E se enfia entre nós num pulo
O lençol, cabana pra três
Tanto amor, uma só cama
Paraíso No Inferno

Que lugar tão frio e escuro
Tão quente, o sol tão puro
Esses olhos que me destroem
São os braços que me acolhem

Empurrado, enganado
Recebido com tanto prazer
Acoado, apertado
Muito espaço pra viver

A cidade em minhas mãos
Não conheço lugar algum
Todos aqui são meus irmãos
Mas agora sou só mais um

Aqui reencontro o amor
Outra velha companheira
Sempre presente: a dor


O Que Ainda Não Aprendi

Me irrito 
Com quem erra
Onde tudo é tão fácil pra mim

Com quem ainda não viu
Tudo o que eu agora enxergo
Mesmo sabendo que antes 
Eu também não percebia

Com quem consegue
Vencer essas barreiras
Desatar esses nós
Que eu mesmo dei
E não sei desdar

Venho do trabalho
Parado no vermelho
Três garotos e uma bicicleta
Sem freios e sem corrente
Um deles se diverte guiando
Mas os outros dois empurrando
Também gargalham

O verde permite os carros seguirem
Os garotos se jogam na sarjeta
As risadas são descontroladas
E rolam de um lado ao outro
Se esbarrando, se trombando

O vermelho volta
E a brincadeira recomeça
O garoto da vez abre as pernas
Para dificultar mais o próprio equilíbrio
E todos riem

Será que a vida é assim tão simples?

Vou Te Beijar

Vem cá, quero te beijar. 
Mas calma. 
Não quero sua pressa de sempre. 
Vou te beijar diferente. 
Devagarinho vou saboreando cada milímetro dessa iguaria tão cara, tão rara. 
Vem dançar comigo. 
Eu sou seu homem, deixa que eu te levo. 
Vem deslizando no ritmo da minha língua, dos meu lábios. 
Olha o gosto, escuta o cheiro da minha pele tão perto da sua. 
Vem devagarinho.


Para Longe de Nossas Janelas

A mulher já vivia ali havia muito tempo, na esquina da Rua Iraí com o Largo José Cavalini. Ela dormia no chão. Vivia do que encontrava nas sacolas de lixo que se espalhavam pelas ruas quando ela passava. Estava sempre sozinha, mas sempre conversando. Conversava consigo mesma, com sua consciência ou com alguém cuja existência só ela percebia.
As pessoas se incomodavam. Era realmente doloroso e amargo observá-la ali, sozinha, aparentemente abandonada. Especialmente em dias frios. Me machucavam o edredon e o chocolate quente dos quais me beneficiava enquanto a assistia se cobrir com caixas de papelão.
Me lembro de quando a levaram. Já haviam tentado antes, muitas vezes, com menos energia. Funcionários da prefeitura, de quando em vez, vinham e conversavam com ela. Da janela do meu apartamento eu não conseguia ouvir o que diziam, mas entendia que ela não queria ir pelas sacudidas de cabeça de um lado a outro, pelo olhar confuso e perdido e pelo nariz torcido dos funcionários da prefeitura. Mas um dia não houve conversa. Chegaram em uma van. Dois homens desceram e a agarraram. Ela se debateu, mas foi dominada rapidamente. Levaram-na.
Não sei para onde ela foi. Sei que foi contra sua vontade para tornar nossa vizinhança um lugar menos desagradável.
Português para Inglês Ver

Sexta-feira 13. Saio da reunião com o coordenador padecendo de uma dor de cabeça moral. Ao invés de reprovar um aluno cuja preguiça e indisciplina o impediram de desenvolver  domínio de sua língua nativa, me é sugerido (e aqui uso de um eufemismo) dar a esse mesmo aluno aulas particulares. O coordenador ainda ressalta a compensação financeira. Aulas particulares, a essa altura do ano, valem o peso do professor em ouro.
Além de não ter tido apoio algum de meu ilustríssimo superior, sou obrigado a engolir os meus princípios goela abaixo.
Parto da escola em direção ao bar. Vou me encontrar com o meu orientador do mestrado. Assim que finalizar o curso, penso, não terei mais que me sujeitar a humilhação como me foi imposta hoje.
No bar quero colocar toda a minha indignação para fora. A conversa é mais fluida banhada em cerveja e cachaça. Meu orientador é todo ouvidos e apoio. Terminamos a noite abraçados ao violão, cantando a revolução que promoveríamos no sistema educacional brasileiro.

Sábado 14. Acordo e me levanto imediatamente. Minha cabeça lateja. Meu reino por uma xícara de café forte e uma Neosaldina. Na porta da geladeira encontro a conta do celular. Exagerei de novo. Vou ligar para o meu aluno. Oferecer aulas particulares. Pagando bem, que mal tem? Começo a revolução no ano que vem, quando voltar da minhas férias na Europa.

Se eu te vejo
E não posso parar
Se eu te beijo
E tomo seu ar
Se desejo
Sem hora ou lugar
Me perdoa

Se te atraio
Te atiço a loucura
Se eu saio
A ausência te cura

Se te quero
Paixão retraída
Se sou bom
Mas não pra sua vida
Me perdoa

Se não falo
Tudo que sinto
Se me escondo 
Às vezes minto
Covardia, medo
Razão, ainda é cedo
Me perdoa


Dentro do carro, longe de todos aqueles olhos, finalmente se beijaram. As roupas, obstáculos intransponíveis. Para os corpos. As almas se entrelaçavam. Os cheiros, os gostos, se misturavam.
Um barulho na rua a despertou. Seus olhos o miravam e ela dizia para ele ir embora. Ela não podia mais ficar. Sabia que ele também não aguentaria mais. Ele era fraco, muito fraco. Ele não tinha mais palavras. Percebeu de novo o vazio de ser racional, de pensar e fingir não sentir.
-- Eu te amo.
Fechou a porta do carro e a observou sumir no infinito. Tudo perdia o foco enquanto um sabor salgado deslizava devagarinho por entre seus lábios.



Me instiga e provoca
Real com gosto de sonho
Nada mais importa exceto

Encaixe perfeito
De físico, de alma
Será ilusão?

Olhos só pra mim
Tempo que perturba
Basta um segundo

Te levo se me levar
Estou aqui mesmo
Pro seu corpo, sua alma


Tangible Non-existence

The further I get,
The more I think.
The closer I am,
The more I feel.

There's something here
Still can't tell what
But I know I'm not alone
The clues, yet powerful, 
Are sometimes misleading

Some get scared
They say I should run
But I won't
Intuition tells me
I must stick around


Brilha Nos Olhos de Quem Vê

A realidade do diamante
A concretude do falso brilhante
Ora, existe a mesma verdade aqui
Quanto a evidente presença dali?

A pedra bruta mal trabalhada
Desarmonia no excesso ou na falta
Humilde vidro, valor: quase nada
Atenção, o cuidado, arte tão alta!

Às vezes me encanto, mera ilusão
Me engano, me enebria, me entrego
Com freqüência teimo, aceito, não nego

Mas sei, surpreso, incomum perfeição
O vidro ao qual raramente me apego
Única beleza que agora enxergo



No silêncio vespertino do estacionamento, o fechar da porta do carro soou como retórica: nunca mais. Ele se foi e ela não pôde impedir. Os momentos de paixão que há pouco tinham sido tão intensos, agora pareciam ter acontecido anos atrás. Ele se foi sem precisar dizer que estava indo; ela soube pelo seu olhar. O mesmo olhar que lhe era direcionado antes com admiração, resolveu seguir em frente. Ela soube o por quê. Não podia mais lhe oferecer um coração dividido; ele pedia a eternidade, ela, por ora, lhe oferecia instantes. Ele se foi e ela sabia que havia falhado. Tinha fraquejado e, como havia aprendido em seus poucos mas longos anos de vida, fraquejar significava perder. Ele se foi e ela, por um breve momento, se sentiu realmente roxa, sem ar, sem poder respirar. Não entendeu como vinha respirando por tanto tempo, e agora, perdia o fôlego. Pensou em recuperar o corpo dele, mas já era tarde demais. Esperou, então, pelo cair da noite, onde, quem sabe, suas almas poderiam se reencontrar.

(contribuição especial de uma anônima)



Ele se decidiu: 
Não dava mais. 
Marcaram de se encontrar 
E ela: 
“Assim você não é real.”   

Ela não enxergava 
Ele estava cego 
Seus olhos 
Seu corpo 
Sua alma 

“Eu te entendo” 
Ela disse 
Ele suspirou 
“Cala a boca 
E me beija!”


O Último Cigarro

Deitado, respirava com dificuldade. Suas mãos agarradas àquela caixa de sapato. Sabia que não escaparia dessa e agora já nem se preocupava mais. Afinal, não restara ninguém. Tudo o que sobrara de todos aqueles que importavam estava naquela velha caixa de sapato. As fotos, as cartas... As cartas! Havia mais de 20 anos que não recebia uma carta. O envelope chegando com seu nome escrito à caneta. Não era necessário ler o remetente para saber quem o enviara. Costumava sentir seu peso, cheirá-lo e então guardá-lo. Abrir o envelope merecia toda a sua atenção, um acontecimento a ser saboreado. Chegava então do trabalho. Sua mulher terminava de preparar a janta enquanto ele tomava aquele banho frio. Um santo remédio. O havia curado da asma. Maldito cigarro! Bendito cigarro! Se não houvera parado de fumar, não teria sido deixado pra trás com aquele maldito enfisema. Abrir mão daquele prazer... Pra quê?!
As mãos fraquejavam, tremiam e ele tateava o interior da caixa buscando o velho fósforo de cartela. Guardara-o por 60 anos, desde sua lua-de-mel. Usara apenas um dos palitos. Ofegante, abriu a gaveta do criado mudo e encontrou atrás da bíblia o maço de cigarros que roubara do enfermeiro no dia da internação. Com alguma dificuldade, contando com a ajuda do ar parado do quarto, conseguiu acender um cigarro na primeira tentativa. Se sua mulher pudesse vê-lo agora... Ela certamente se transformaria em uma onça. Talvez o agredisse com tapas, com socos, com palavras. Chamaria todos os enfermeiros e médicos daquele hospital. Ligaria para os filhos e netos. E quando finalmente conseguisse a atenção de todos, choraria muito. E como era linda quando chorava! Ele sempre dizia que queria morrer primeiro para vê-la chorar em seu enterro. Que bobagem!
Uma crise de tosse violenta. Seu corpo pulava em cima da cama descontrolado. A caixa de sapato jazia no chão. De repente, a calma. E os bipes daquela máquina maldita deram lugar a um interminável apito anunciando o esperado fim.

Palavras escondidas
Não há versos, não há rimas
A voz tão recolhida
Não há termo que exprima

O folêgo que já me falta
Seus olhos, onde eu parei
No céu, a lua alta
Sua boca, que eu não beijei

Entre um minuto ao seu lado ou viver?
Não há dúvida
Por mais curto que seja o presente 
O sabor é único se estou com você


A Última Vez

Me lembro da última vez. Você saiu do banho naquele seu roupão laranja com uma toalha enrolada na cabeça. Sorria e me pedia calma: “Primeiro, quero secar o cabelo”. Eu estava deitado na cama. Te observava. Não dizia nada. Você nunca secou o cabelo na sua vida.
Desenrolou a toalha devagarinho e começou a puxar as mechas de cabelo entre o tecido, ora esfregando, ora dando tapinhas. Eu te chamava. Você nem olhava pra mim. Só sorria e me mandava esperar. Enrolou de novo a cabeça com a toalha e, percebendo que eu me mexia, parou ao pé da cama e colocou as mãos na cintura.
O roupão entreaberto revelava seus segredos mais perfeitos. Recostei-me na cabeceira da cama. Você se sentou ao meu lado. Olhou pra mim e me beijou devagar. Não me abraçava. Mantinha suas mãos ao longo de seu corpo. Só sua boca era minha naquele momento. E era o suficiente. Apesar de só os nossos lábios e línguas estarem em contato era como se todo o meu corpo e todo o seu corpo fossem uma coisa só. Talvez os olhos fechados ampliassem essa sensação. De repente senti sua mão por trás do meu pescoço. Puxava meus cabelos. Parou de me beijar e se esticou na cama deitada de costas. Pediu que eu começasse devagar. Sempre usava essa palavra: devagar.
Te observei por alguns segundos. Queria que sua imagem penetrasse minha alma através das minhas retinas. Toquei seus joelhos e você estremeceu. Beijei-os levemente, explorando-os e indo lentamente para a parte de trás de suas pernas. Agora usava vigor, com a boca entreaberta, permitindo minha língua escapar aqui e ali. Subia lentamente pela parte interna de suas coxas. O cheiro, o gosto, a textura da sua pele, tudo me fazia querer morrer naquele instante. Queria levar desse planeta só aquilo. Subia mais e ouvia sua respiração, agora mais profunda. Quando alcancei sua virilha, suas mãos seguravam minha cabeça. Parei de usar os lábios. Troquei o toque da minha pele por assopradas leves. Até que não resisti mais e deixei minha língua penetrar enquanto minhas mãos se divertiam passeando por toda parte do seu corpo a seu alcance.
É difícil descrever o que acontecia nessas horas. Mas me lembro que à certa altura você sempre me interrompia e, entre gemidos, dizia: “Agora!”


Minha cama é agora a razão
Se não faço o que fazia
Se não canto o que cantava
É só por que o mundo
Não pode parar de rodar

Calei todas as vozes sem som
Não sinto o que não se sente
Não vejo mais o que não se vê
(E se vejo, agora escolho fechar os olhos)

Não tem mais impulso
Nem desejo, nem capricho
Não tem mimo, não tem dengo

Não tem mais carpe diem
Nem busco sentido pra vida
Não tem mais filosofia estéril

Tomei minha vacina
Vou servir a pátria amada
O orgulho da família

Funcionário do mês
Uniforme bem passado
E um sorriso na parede

A nobre literatura morreu
Pra nascer o que é direito
Só tenho bom senso
E não sinto mais nada

Pra que minha vida siga adiante


No final do outono e no começo do inverno
Tudo é cinza, tudo é morte
Não existe movimento
A vida se reduz
Menos que um sopro

A terra não tem outra alternativa
Se agarra às últimas gotículas
E espera


Your House

Com a chave na fechadura ela começou a rezar. Ele costumava ficar em casa até mais tarde depois do almoço nas segundas. Mas isso era antes. Os hábitos haviam mudado.
Destrancou a porta e entrou soltando o ar pesado que carregava nos pulmões. Deixou cair a bolsa no chão da sala como tantas outras vezes. Não. Agora era completamente diferente. Subiu a escada que dava para o quarto. A cama de casal estava impecavelmente arrumada. Não resistiu, deitou-se nela.
Sentia o cheiro dele. Abriu o guarda-roupa e se sentiu engolida por tudo. Foi até o banheiro e se despiu -- sem se preocupar onde as peças que usava caíam. Entrou no chuveiro e deixou a água cair sobre seu corpo trêmulo de soluços. Sentia o chão frio em suas nádegas e a água quente em suas costas desprotegidas. Saiu do chuveiro e vestiu-se com o roupão dele. No armário do banheiro, o vidrinho de perfume a torturava.
Desceu as escadas novamente e foi até o escritório. Acendeu um incenso. Vasculhava os CDs. Sabia que nenhum daqueles eram seus. Eram todos dele. E viu um pedaço de papel sobre a mesa. Era uma carta de amor. Mas não era sua letra. Nem mesmo saberia dizer de quem era aquela letra que falava todas as coisas que ela um dia dissera.
Finalmente, vestiu novamente suas roupas e foi embora, deixando para trás as chaves do apartamento, a porta destrancada e um pedido de desculpas.



Primeiro, seus olhos 
Não! Seu sorriso 
Depois, sim, o olhar 
Uma lagoa 
Pra eu entrar, mergulhar 
Não tem jeito de chegar perto 
Tudo a sua volta é barreira 
Tudo a sua volta é repulsa 
Mas eu insisto 
Te cerco 
Por todos os lados 
E se me machuco 
Não me importo 
Se mais gente se fere 
Tarde demais
Pra ter você 
Até o errado é certo 

De repente desisto 
E você me chama 
Com essas palavras que eu não entendo 
Seus gestos dúbios 
Quer me agredir 
Ou vai me abraçar?   

E está em meus braços 
Você se desfaz 
E me distraio 
Te vejo mais uma vez 
E agora minha língua 
Sua língua 
Meu corpo e seu corpo 
Contorcidos e entrelaçados 
Não há ar suficiente pra nós dois 
Suas mãos me procuram 
Minha boca quer beber tudo   

Mas você é névoa 
Se desfaz



Ela já foi e voltou 
Nem sei mais há quanto tempo 
Nem sei quantas vezes   

Mas é sempre a mesma coisa 
Ela se insinua, se mostra 
Começa devagar 
Às vezes nem tanto   

Seus lábios, seus olhos 
Suas mãos e sua voz 
Agarram minha alma 
Se apossam do meu corpo   

A príncipio não me convence 
Me defendo, me esquivo 
E então estou novamente 
Entregue e vulnerável
E ela se dissipa, se despedaça 
Vidro ou cristal?

TPM Masculina

Entraram no carro dela. O dele estava na revisão. Assim que ela girou a chave e as luzes do painel se acenderam, ele deu uma olhada no visor de cristal líquido: 
-- Caralho! 
-- Que foi? 
-- Eu não vi que tava atrasado. 
-- Cê não tá atrasado. Faltam 30 minutos. 
-- Normalmente eu já estaria no trabalho. 
-- Mas hoje não é normalmente. 
Ela engatou a ré e o carro começou a se mover. Ele levantou o joelho bruscamente e se agarrou ao painel. Ela respirou fundo. 
-- Que caminho é esse? 
-- O caminho certo. – ela respondeu sem olhar para o lado. 
-- Se você fosse por cima escaparia do trânsito. 
-- Mas a volta seria tão grande que eu gastaria o mesmo tempo. 
Ele resolveu ligar o som, mas não encontrou nenhum de seus CDs. Mudou para rádio e viu que nenhuma de suas estações estava programada na memória. Resolveu voltar a atenção ao trânsito novamente. 
-- Ué, essa avenida não é a Ricardo Jaffet? 
-- É. Mas aqui ela tem outro nome. E lá na frente ela vira Imigrantes. 
-- Não sei pra quê tanto nome. Coisa imbecil. 
-- Se seu pau fosse grande, cê também poderia colocar vários nomes nele. 
-- Dirige, tá? Era só o que me faltava. Eu tô atrasado, a porra da avenida tem três nomes, o farol tá vermelho e eu ainda tenho que ouvir minha mulher dizer que meu pau é pequeno. 
-- Eu não disse que ele é pequeno. Só não é grande. E agora você sabe como eu me sinto na TPM. É isso que cê tá sentindo agora. Ininterruptamente.

She Wears Purple

No, there hasn’t been a smile like that
And no eyes have been brighter
The way you tilt your head to get attention
Or throw you hands in front of me
Clumsy and beautiful

And why do you read me like you do?
You understand the languages I speak
And also the ones I want to learn
You listen to my songs
You know the words by heart
(I thought they were mine
But it seems I’m yours)

And as if all that wasn’t enough
There’s your white skin
The soft flesh around your bones
The delicate touch of your body when I hold you

And then you leave
An empty bottle of wine in my hands